Ser Professor do 1.º Ciclo

quarta-feira, junho 14, 2006

As Jornadas de PP’06 – Partilha de experiências.

Viva, como estão todos, neste final de ano lectivo, presumo muito atarefado, que rapidamente se aproxima do seu desfecho?

Um olá muito especial para as Professoras presentes nas Jornadas de PP, a saber: a Elisabete, a Olga, a Beatriz, a Ana, a Luciana e a Paula. Também um olá muito especial para Elisabete Abreu, que nos deu o prazer da sua companhia nestas Jornadas, e para a Carla Leite que, horas mais tarde, se juntou ao nosso convívio.

Por onde começar este post sobre o painel “Ser Professor do 1.º Ciclo: construção do conhecimento profissional”, realizado no âmbito das Jornadas de PP’06?

Talvez, antes de mais, dizer que não sei ainda ao certo o que escrever. Melhor dito, não sei muito bem como dizer certas coisas que me têm perpassado pela cabeça, a propósito da concretização do painel, e que persistem de uma forma recorrente desde essa altura. Não sei muito bem como dizê-las porque, até agora, apesar de um esforço de verbalização e contrastação das mesmas, contínuo por não tê-las devidamente resolvidas, pelo que neste momento não sei ainda qual vai ser o resultado do texto que agora tento dar forma. Trata-se, pois, de um duplo exercício, que tenta fazer a interpretação dos sentimentos que as Jornadas acabaram por despoletar e das situações que os desencadearam. A ver vamos se serei capaz.

Para me sentir orientado neste trabalho de análise sobre o painel e sobre as minhas reacções ao mesmo, começo por tentar estruturar uma lista de assuntos a tratar, à volta dos quais queria explanar alguns dos raciocínios que ocupam os meus pensamentos: o silêncio, os agradecimentos, a apresentação da investigação, a vossa participação, a participação dos alunos do IEC, a análise de conteúdo a partir do blog (forma e conteúdo), a conferência da Professora Maria do Céu Roldão.


1) O silêncio.

Vivo estes dias, é já lá vão alguns dias desde a realização do painel, com a nítida percepção que tenho um nó por deslindar, que acaba por ser a ponta de um novelo mais amplo e complexo. Por outro lado, tenho também, neste momento, a sensação de incapacidade para o desfazer, pelo que o risco que corro agora é sempre de torná-lo ainda mais apertado e embrenhado. Contudo, percebo que o silêncio que criei, quase como um refúgio, também não ajuda ao esclarecimento.

Além do mais este espaço não se compadece de silêncios, pois apenas contribuem para a sua ausência e consequente negação da sua existência. Percebo ainda que, de forma legítima, haja quem esteja à espera de uma reacção. Por tudo isto, não posso mais escudar-me na gestão dos silêncios. E, na lógica da exposição pública do blog, nada melhor do que o blog para agitar as águas.


2) Os Agradecimentos.

Um discurso que faz sentido neste espaço, porque é sentido, diz respeito aos agradecimentos. E não se pense que é uma linguagem fácil de palavras previamente feitas. De facto, às Professoras presentes, queria deixar o meu obrigado pelo esforço, pela consideração, pela atenção. Sei que a vossa presença acaba por traduzir uma vontade que foi capaz de diluir obstáculos e que representa uma forte consideração pelo trabalho de investigação. Acredito também que esse é o sentimento das pessoas que lamentaram, pelos argumentos apresentados, não poder estar presentes.

Por isso, não queria deixar de dizer que a vossa presença foi sentida como uma tradução de compromissos anteriores, sem querer esquecer outras pessoas que também contribuíram de forma valiosa para a investigação, e que por um ou outro motivo válido, não puderam estar presentes. Não esqueço também o facto deste evento não estar inicialmente previsto no plano de trabalhos que estabelecemos num protocolo de colaboração/investigação que fiz com cada um de vocês.


3) A apresentação da investigação.

Eu tinha já apresentado, em diferentes contextos, versões desta mesma comunicação que fiz nas Jornadas. Na Finlândia tive pela primeira vez a oportunidade de dar a conhecer a investigação tal e qual está a decorrer. Por isso, tendo em atenção o contexto e o púbico, e ainda o facto de já estar familiarizado com o conteúdo da mesma, achei que havia razões para estar confiante em relação à sua aceitação. Pensei mesmo que esta era a “comunicação”, pois podia-lhe dedicar um pouco mais de tempo, detalhando alguns pormenores que não fiz em ocasiões anteriores. Também pensei que a apresentação de alguns resultados preliminares aos professores participantes na investigação, na fase em que estamos, seria visto como uma oportunidade única de reflexão e análise acerca dos mesmos, para além do cumprimento de um dever ético e moral decorrente de princípios de transparência e de rigor da investigação.

Depois, um estudo desta natureza, relacionado com a indução e a construção do conhecimento profissional, julgo eu, reunia todos os ingredientes para chamar a atenção dos alunos do IEC. Se juntarmos a isto tudo, a possibilidade de ouvir, de viva voz, experiências profissionais de ex-alunos formados pelo IEC, e de interpelá-los e confrontá-los com as suas preocupações, parecia-me estar criado um cenário de excelência em termos formativos.


4) A vossa participação.

O princípio da ‘partilha de experiências’, com o qual se proclamava as Jornadas deste ano, parece não ter sido devidamente cumprido no painel em que participaram. Parece ser, à partida, um juízo demasiado forte e, eventualmente, injusto, mas foi essa a percepção que construí. Este foi dos aspectos que mais mágoa me deixou, para além da baixa participação dos alunos do IEC, que tratarei no ponto seguinte. Ao dizer isto não lhes estou a atribuir qualquer responsabilidade directa. Parece ter havido um conjunto de factores que resultaram numa inibição pouco comum para as pessoas em questão, até pelo conhecimento e experiência que tenho da vossa forma de ser e estar na vida.

Gostava de perceber, e deixo-vos aqui o repto, por que é que não funcionou? Quais foram, no vosso entendimento, as razões que induziram este resultado? Desde já deixo aqui as minhas deduções, ainda que levadas a um extremo da análise.

a) Roubei-vos protagonismo. A razão de ser deste painel deveria ser a ‘partilha de experiências’. A partir das mesmas seria possível perceber o que é ser professor do 1CEB e como fazem a construção do conhecimento profissional, numa transição fundamental que é a passagem da formação inicial para o período de indução.

b) Relacionada com a questão do protagonismo, entronca a preparação do painel que me parece agora não ter sido a mais feliz. Talvez fosse de exigir algo de mais explícito aos grupos de investigação, promovendo a sua apresentação formal, através de um porta-voz.

c) A minha intervenção parece também ter retirado eficácia aos possíveis contributos da Dra. Altina e da Dra. Isabel. De qualquer modo, a ideia seria desafiar a audiência e o grupo de Professores que fez parte da investigação, mas em ambos os casos, por razões diversas, pareciam, logo à partida, estarem desmobilizados.

d) A minha moderação foi pouco incisiva. Julgava eu que os ingredientes do painel eram suficientemente interessantes para termos, quase como por geração espontânea, um momento vivo e rico de ‘partilha de experiências’. O meu pensamento prévio estava mais na hipótese de como ter que cortar e controlar a participação. Em face de uma palidez geral, fiz várias tentativas para ‘despertar’ e provocar a participação da audiência e das Professoras neófitas, mas sempre com resultados muito parcos.

e) A distribuição das pessoas no auditório, nomeadamente a vossa, não foi a mais favorável. Não sei porquê, mas sempre resistiram a assumir protagonismo e a passar para o ‘palco’ das atenções, enfrentando ‘de frente’ a audiência. A própria distribuição da audiência, muito dispersa, afastada das Professoras neófitas e em reduzido número, também foram factores que ‘congelaram’ o debate e tornaram a interacção pouco desafiante.


5) A participação dos alunos do IEC.

Como disse, considerava à partida o acesso a este tipo de eventos, pela dimensão formativa que envolve, um privilégio para os alunos do IEC. Digo mais, se não for por eles, julgo que se pode por em causa a existência destas realizações. É por reconhecer a importância decisiva destas manifestações no seu percurso formativo que acredito ser necessário repensar o envolvimento dos alunos.

Tudo isto para dizer que fiquei desiludido com a reduzida participação dos alunos do IEC. Bem sei das atenuantes que se pode apresentar: aulas a decorrer, trabalhos para fazer, exames para preparar, …, um sem número de tarefas para cumprir. Nada que não tivesse ouvido de outros anos. Ainda assim, parece caber uma palavra de orientação e selecção acerca das experiências formativas que lhes são proporcionadas.

Dito isto, parece-me que seria necessário entrar noutro nível de análise que não me sinto habilitado a fazer, mas que o IEC urge concretizar, até como um ponto de ordem para a reformulação do percurso formativo (com ou sem Bolonha) e das prioridades que aí se definirem.

Ainda assim, uma ressalva para quem esteve presente, pois não é deles que este ponto se ocupa.


6) Análise de conteúdo a partir do blog (forma e conteúdo).

Já o disse, o painel jogava para mim uma função importante: poder dar feedback de alguns resultados preliminares aos Professores participantes da investigação. Para além do valor ético e moral da retribuição pela participação com a comunicação de alguns resultados, ainda que apenas a partir de uma ferramenta de recolha de dados (o blog), tornava-se importante um outro feedback que me interessava para a investigação: a reacção dos Professores aos primeiros resultados da investigação. Ora isso acabou por não acontecer nos termos em que desejava, a não ser em conversas de circunstância, já depois do decorrer do painel. Assim, reservo para próximos posts a possibilidade de divulgação, ainda que de forma sintética, desses resultados, esperando daí obter algumas reacções da vossa parte, se assim desejarem manifestar-se.


7) A conferência da Professora Maria do Céu Roldão – a propósito do blog.

Foi para mim um oásis dentro de uma experiência, como deu para perceber, mal digerida. Na sequência de outras conferências proferidas pela Professora Maria do Céu Roldão, às quais tenho assistido, mesmo no contexto das Jornadas da PP, é sempre para mim um prazer enorme ter a oportunidade de voltar a ouvi-la. Ainda assim esta foi especial, pois estava em causa uma leitura atenta do blog, como pretexto para uma conversa sobre a indução profissional.

Tenho de o admitir, acabei por sentir um misto de sentimentos algo contraditórios (não necessariamente opostos e nefastos): desde uma alegria enorme e uma certa vaidade ou orgulho no trabalho realizado, até uma grande surpresa/espanto pela abordagem ‘diferente’ do blog (talvez, melhor dito, da indução profissional), de todo inesperada, que me fez sentir um aprendiz com vontade de crescer, mas com muito por aprender e, sobretudo, viver!

Falta o discurso e isso é o essencial, mas, de qualquer maneira, aqui ficam os tópicos que podem indiciar o que perderam… para quem esteve ausente:

– Formadores orgulhosos – porquê?
– As dimensões do profissional – o que está afinal no centro?
– O professor mediador – entre quê e quê?
– Angústia para o jantar…
– Ter direito à vida pessoal ou… entrar na via mística?
– A que damos mais importância? … Ou dos riscos da deriva afectiva…
– Avaliar – um problema?!... Mas porquê?
– “Ajudar” os alunos… como é que se entende?
– Diferenciação – mas como?
– E os pais?
– Os rótulos – os deles e os nossos…
– Os grupos e os apoios mútuos – quem pode começar?... E continuar?

Entretanto, seguem-se os meus comentários… à “lista pós-leitura de blog”, que fiz questão de proferir logo após a intervenção da Professora Maria do Céu, e que aqui reproduzo:

a) Não sabia que o blog podia dar tanto! … Mas sei que o blog deu para tanto, não porque o blog tem tanto para dar, mas antes por causa do ‘olhar’ da Professora Maria do Céu sobre o blog…

b) Depois de ouvir a conferência, fiquei com a necessidade absoluta de fazer um acto de contrição como professor, investigador, mas sobretudo como pessoa que tem família, amigos, pais… e ainda bem (é sempre bom ter alguém que nos relembre das coisas fundamentais da vida). Espero continuar o meu trabalho, embora muitas vezes duvide e questione a minha capacidade; mantenho, ainda assim, a esperança que esta ‘angústia’ que me acompanha seja da ‘boa’ e me faça progredir…

c) Finalmente, o meu obrigado imenso por partilhar connosco a análise sobre a indução profissional, a condição de ser professor, a partir do blog; o meu obrigado ainda por dar-me o privilégio de fazer parte das suas relações.


Um comentário final ao painel "Ser Professor do 1CEB...":

Fiquei triste, sobretudo, porque reconheço um potencial muito significativo nas vossas experiências e no vosso conhecimento para o processo de formação que estava em causa no painel, e que não foi devidamente aproveitado e explorado…

Logo após o painel e em conversas sobre o desenrolar do mesmo várias vezes invoquei a metáfora do copo meio cheio ou meio vazio, referindo que não sabia em qual das situações me revia, perante o meu desempenho e as incidências que aqui tentei esclarecer.

Agora que a distância fez caminho, vejo que qualquer que fosse a minha escolha ela não disfarçaria um descontentamento pessoal, mas, sobretudo, a constatação que estamos perante um processo inacabado, por preencher. E isso, no que toca à formação de professores, não pode/deve ser deixado ao acaso, tendo como referência a formação integral das crianças.

5 Comments:

  • Olá professor!
    Ao ler a sua postagem nota-se uma pontinha de desapontamento e decepção. No entanto, julgo que esse sentimento é próprio de quem “imerge” num trabalho, mas não creio que tenha motivos para tamanho desapontamento.
    A conferência da professora Maria do Céu Roldão mostrou o quanto o blog é rico, e não creio que o “blog não tenha tanto para dar”, como disse o professor... Claro que o olhar e a experiência da professora permitiram uma visão mais ampla sobre o blog mas, verdade seja dita, os pontos que a professora focou foram aspectos presentes no blog.
    Ao ouvir a professora, fiquei com a sensação de que conseguiu “tocar” tudo o que um professor em início de carreira sente e essa análise/capacidade é digna de louvor, mas os itens fomos nós que os lançamos…
    Em relação à nossa participação, também preferia que estivéssemos na mesa e cada uma de nós fosse partilhando as suas experiências. Assim, os pontos que eu tinha preparado não se encaixavam com os temas que foram sendo debatidos. Para poder intervir nesses moldes, precisava de ter à-vontade suficiente, coisa que, ainda, não tenho.
    Em relação à apresentação da investigação, os comentários não surgiram, simplesmente porque tudo foi tão bem apresentado, pormenorizado e compreendido, que não havia o que questionar. Desde já, os meus parabéns por todo o trabalho desenvolvido.
    Por último, em relação à participação dos alunos do IEC, creio que vontade não lhes faltava e eles têm plena consciência de que iriam aprender muito se pudessem assistir às várias conferências. No meu entender, as jornadas deveriam ser realizadas na semana após a entrega de todos os trabalhos. Assim, torna-se humanamente impossível conseguir fazer tudo para a mesma altura…
    Penso que a postagem já vai longa, mas não posso terminar sem dizer que, tendo estado presente toda a tarde, considero que foi uma tarde bastante proveitosa, pois aprendi muito.
    Muitos parabéns por todo o trabalho que está a ser desenvolvido.

    By Blogger Paula Ribeiro, at 6/15/2006 6:57 da tarde  

  • Olá professor!

    Li e reli o seu post r fiquei um pouco desanimada, talvez por sentir algum desânimo e desilusão de sua parte!
    De facto, concordo plenamente com tudo o que escreveu. Penso que apontou todas as condicionantes para o ambiente que se viveu.
    Na minha opinião, julgo que se as professoras participantes no seu projecto, tivessem consigo algo mais estruturado,a comunicação seria bem mais fácil e iria fluir com mais naturalidade! E já que estávamos tão poucas presentes, poder-se-ia ter eleito uma representante de cada um dos grupos que não se importasse de elaborar algo para comunicar!
    Por outro lado, é algo desmotivador quando expomos algum aspecto e os futuros professores que estão a assistir não colocam questões, não revelam as suas preocupações... enfim, não nos sentimos "úteis". Para além disso, o auditório "quase vazio" também não facilita nada!
    Não penso de forma alguma que o professor tenha assumido o protagonismo, aliás, o papel principal, diga-se o que se disser, é seu. O projecto apenas foi levado a cabo graças à sua persistência e organização!
    No que iz respeito à conferência da Doutora Maria do Céu Roldão fiquei com muita pena não ter podiso ficar para assistir e, depois de ler a sua postagem, fiquei também muito curiosa! Gostava de perceber um pouco mais do que foi dito pois penso que deve ter sido extremamente interessante!
    Penso que é a errar que se aprende e que, numa próxima oportunidade, são necessárias algumas mudanças... Sei que estruturar uma breve comunicação pode dar algum trabalho mas os resultados são, sem dúvida, muito mais visíveis e significativos!
    De qualquer forma, o que aconteceu não espelha aquilo que este proecto de investigação foi até agora e, com certeza, continuará a ser: partilha, diálogo, compreensão, amizade e, sobretdo de sua parte, muita paixão pela investigação!

    Parabéns!

    By Blogger Ana Beatriz Costa, at 6/15/2006 9:14 da tarde  

  • Olá Paula e Beatriz.

    Desde já o meu obrigado por se darem ao trabalho, de forma detalhada, de responderem a este post sobre a concretização do painel “Ser Professor do 1CEB…”, das Jornadas’06 de PP.

    Um primeiro comentário para a ideia de desapontamento. De facto, fiquei algo decepcionado, mas isso não deve levar a que pensem que não estou satisfeito com a vossa colaboração e mesmo com os resultados da investigação. E se estivesse desiludido com a participação de membros desta investigação, nunca seria convosco.

    Já agora, e este é um segundo comentário, aproveito também para esclarecer que, como investigador, não tenho de estar mais ou menos desgostoso ou entusiasmado com a participação das pessoas. As coisas são como são e é nessa medida que tenho de trabalhar os dados. Só num caso extremo, onde houvesse ausência de dados, o que parece não ser o caso, é que estaria em causa a própria investigação. Agora, isso também não coíbe de todos fazerem uma auto-análise do seu envolvimento neste projecto de investigação e eu também não fujo a esse exercício.

    Depois, gostaria de agradecer as palavras muito amáveis acerca da investigação e do meu empenho na mesma. Tenho de confessar que ainda estou longe de vislumbrar, como resultado final deste trabalho, algo de ‘concreto e definido’, situação que me tem preocupado de forma crescente… Contudo, não queria deixar de passar a ocasião para dizer o quanto tenho gostado de trabalhar com este grupo de excelentes profissionais, e sobretudo das interacções que as entrevistas e, especialmente, o blog proporcionaram, não só ao nível profissional, como também pessoal. Por isso tudo, desde já o meu obrigado. Por aqui, talvez, se justifique a minha entrega e empenho pelo trabalho realizado. É algo que tenho feito como muito gosto e satisfação, apesar de alguns contratempos.

    Quanto à defesa dos alunos, feita pela Paula, compreendo bem a posição que tomou. Não deixo de considerar que tem razão. De facto, penso até que o dilema que lhes foi criado acaba por ser injusto, pois em qualquer das opções tomadas não deixam de ser sempre penalizados. E isto do ponto de vista formativo, gera um conflito de interesses que devia ser evitado.

    Depois, a Conferência da Professora Maria do Céu pode ser o motivo para pensarmos numa última sessão de trabalho/confraternização, numa perspectiva informal e a título voluntário, mais para o fim do ano lectivo, que faça um ponto final neste processo de investigação. É algo que gostaria de fazer, ainda que fosse só pela confraternização… Já troquei até mensagens com a Paula, que acabou por sugerir uma iniciativa desta natureza. Não sei ainda se seria de concretizar esta ideia… estou na expectativa.
    Em qualquer caso, posso depois facilitar o ficheiro com a apresentação da Professora Maria do Céu Roldão a quem estiver interessado.

    By Blogger Carlos Silva, at 6/19/2006 3:59 da tarde  

  • Olá a todos!
    Tal como prometido, aqui vão algumas ideias sobre as jornadas, desta feita escritas para permitirem uma mais fácil análise e tratamento para a investigação.

    Bem sei que a participação nas jornadas não fazia parte do nosso acordo de investigação. Ainda assim, quando o Prof. Carlos sugeriu que a nossa presença poderia ser uma mais valia, resolvi aceitar o desafio muito por causa da lembrança de edições anteriores que me proporcionaram grande satisfação.

    Depois da participação nas jornadas o sentimento imediato foi o de desilusão:
    - por não ter levado algum material de suporte para a comunicação;
    - pela falta de comparência dos colegas da formação inicial, pois eu própria aprendi muito em edições anteriores das jornadas;
    - por não ter sido mais apoiada pelo Prof. Carlos no que concerne à comunicação que iríamos realizar;
    - por ter participado em todas as sessões, no blog, nas jornadas, mesmo estando a mais de 100km de distância e outras pessoas que estando bem mais perto não o tenham feito; (Espero que não interpretem mal a minha observação, tão simplista na comparação. É apenas um desabafo verdadeiro e sem contemplar a verdadeira legitimidade dos motivos dos colegas.)
    - por ter feito mais uma viagem e não sentir verdadeiramente que valeu a pena;
    - por não ter resultado como esperava.

    De facto, no final das jornadas o sentimento era de… “soube a pouco”! Podíamos ter feito mais e melhor, apesar de termos transmitido (ainda que a poucas pessoas) a importância da investigação. Mas, muito do resultado final não dependeu efectivamente de nós mas de factores que nos foram alheios.

    No entanto, não posso dizer que o saldo foi negativo pois, como em tudo na vida, podemos tirar sempre partido de todas as situações.

    Um beijinho a todos e desculpem a minha sinceridade, mais uma vez, foi um desabafo!

    By Blogger Ana Tavares, at 7/21/2006 10:49 da manhã  

  • Definitivamente, as Jornadas e mesmo este último encontro com os Professores, acabaram por ser situações que me criaram um amargo de boca. Penalizo-me por isso porque senti que não fiz tudo que podia para ser diferente. Parti de um pressuposto que acabou por prejudicar o rendimento dos eventos para a investigação. Não me sentia com autoridade para estar a exigir trabalho aos Professores quando estava a exceder muito os limites estabelecidos na colaboração proposta. Já tive manifestações que teria tido sempre uma reacção positiva às minhas eventuais solicitações, eu próprio tenho consciência que assim seria, mas algo me levou a hesitar… e isso foi fatal. Não foi nem caldo nem sopa… saiu uma mistela pouco agradável ao paladar. Daí o sentido de desilusão que partilho com a Ana. Fico triste pois não era esse o sentimento que queria despertar nas pessoas. Queria mais o da realização, da satisfação, da utilidade por poder contribuir para algo significativo. Eu próprio gostava de sentir que estes eventos tinham repercussões significativas na construção do conhecimento profissional, situação que nem sempre aconteceu, pelo menos de uma forma totalmente satisfatória. Ainda assim, partilha da ideia da Ana, quando diz podermos retirar sempre algumas aprendizagens destas circunstâncias.

    Quanto aos ‘desabafos’ da Ana, só posso ser solidário com os mesmos. Acredito que deveria ter havido motivos plausíveis para as ausências, o que não me leva a deixar de notar que foram quase sempre as mesmas Professoras a corresponder as minhas solicitações. Foi isso também que, de alguma forma, me coibiu de insistir nalgumas propostas, o que acabou por ser duplamente penalizador, pois ao corresponder às mesmas estas acabaram por não ter o sucesso desejado. Estamos sempre a aprender; espero ter aprendido a lição. Escudado numa aparente democraticidade das decisões, julgo, por vezes, ter sido necessário, tomar atitudes discriminatórias positivas. Foi isso que me faltou fazer; não sei se isso seria, do ponto de vista da investigação, sustentado. A título pessoal, deixo aqui o reconhecimento da necessidade dessa diferença, o que não implica uma desconsideração imediata pelas pessoas menos activas e participativas.

    By Blogger Carlos Silva, at 7/25/2006 3:06 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home