Ser Professor do 1.º Ciclo

sexta-feira, fevereiro 17, 2006

O papel das Práticas Pedagógicas na formação inicial: as relações entre teoria e prática.

Ao contrário do costume vou ver se sou capaz de fazer um texto com poucas palavras. O assunto – Práticas Pedagógicas (PP) da vossa formação inicial – pode suscitar muitas palavras, mas deixo isso para vocês (na medida do possível...).

Então, ficam aqui algumas ideias que recolhi (não é exaustivo, podem acrescentar outras) e que podem suscitar a vossa reflexão:

– Concentrar a actividade da PP do 1.º e 2.º ano da licenciatura num período de tempo menor;

– Antecipar o processo de imersão e intervenção progressiva nas escolas e nas turmas, desenvolvido na PP, no sentido de uma maior consciencialização da profissão e de elevar os níveis de autoconfiança nas possibilidades de cada formando;

– Desenvolvimento das didácticas específicas a partir de situações concretas observadas na PP, procurando orientar a intervenção nas escolas;

– Tornar a PP num espaço de formação transversal e integrada para a contextualização da teoria desenvolvida nas diferentes disciplinas, numa perspectiva de aplicação de uma metodologia de resolução de problemas e de um PCI de formação de professores;

– Todos os alunos pudessem experienciar, no âmbito da PP, contextos de todos os anos de escolaridade;

– Formação de uma equipa de professores de PP só com funções de supervisão/orientação que trabalhasse em maior articulação com os professores cooperantes, proporcionando-se um acompanhamento mais próximo e constante aos grupos de estágio;

– Apesar do trabalho de grupo ter sido fundamental ao longo de todo o processo de formação, a componente individual deveria ser um pouco mais explorada e alargada, essencialmente ao longo da Prática Pedagógica IV, de modo a tornar o futuro professor mais confiante e mais independente na sua capacidade de acção, atendendo até aos contextos profissionais que se encontram;

– O relevo das relações de identidade e de colaboração entre a Prática Pedagógica, o Desenvolvimento Curricular e, posteriormente, o Seminário, pois foram estas disciplinas que proporcionaram uma nova visão do Ensino Básico do 1.º Ciclo, nomeadamente através da construção do Projecto Curricular Integrado;

– A importância de estarmos perante uma PP integrada e ao longo do curso e, sobretudo, nos últimos dois anos, uma vez que permitiu pôr em prática muitos aspectos trabalhados teoricamente noutras disciplinas, através de uma observação crítica e uma acção reflexiva;

– A necessidade de, desde cedo, os formandos terem uma consciência explícita do caminho a percorrer ao longo da PP e das próprias didácticas, no sentido da tomada de consciência crítica sobre a plano de formação e sobre a sua abrangência e pertinência.

3 Comments:

  • "....aponta-se para o entendimento do currículo como um Projecto que defina o que é fundamental em termos da cultura e da formação a oferecer aos alunos como experiências significativas de aprendizagem, projecto que necessariamente tem que ser construído de forma flexível. A existência de um referencial de competências essenciais que permita salvaguardar os princípios de qualidade e de equidade para todos deve permitir também desenhar percursos e trajectórias diferenciadas de acordo com as características dos alunos nos contextos diversificados de cada escola..." (in PARECER
    SOBRE O PROJECTO DE
    "GESTÃO FLEXÍVEL DO CURRÍCULO" - Alonso (coord.) - 2001...

    ora aí está um conjunto de ideias que podem ser uma síntese de tudo aquilo que, na minha opinião, constitui as base das práticas pedagógicas durante a F.I.


    Isto para dizer, ou se calhar repetir algumas ideias já apresentadas,que a teoria de desenvolvimento curricular está intrinsecamente dependente de uma prática pedagógica que lhe dê "forma", i.e, todo o trabalho que na formação inicial é organizado, orientado, planificado e depois concretizado no terreno é extremamente importante na medida em que, embora não seja uma receita, é sem dúvida um bom modelo de design curricular, de forma a construirmos escolas de sucesso e escolas democráticas. depois na nossa vida profissional.

    Pergunta-se: Será que depois os professores iniciados seguem estes trâmites e esta filosofia?

    Concerteza que sim, basta o simples facto de que, pelo menos, a "semente "está lá, basta querer desenvolver sempre mais a capacidade de construção destes documentos orientadores do processo de ensino-aprendizagem, e ter um espírito colaborativo, tal como se fazia na FI.
    Boa Noite.

    By Blogger Nuno Monteiro, at 2/18/2006 12:41 da manhã  

  • Durante a nossa formação inicial, era nas Práticas Pedagógicas que mais sentíamos a ligação entre a teoria e a prática. Era onde conseguíamos contactar e conhecer as realidades sobre as quais falávamos. Daí que tenha sido um marco importante e muito significativo na nossa formação e que, quando conversámos sobre a formação inicial do IEC, inevitavelmente íamos parar às Práticas Pedagógicas.

    As Práticas Pedagógicas são o tempo e o espaço por excelência para, durante a formação, reconhecer, verificar e aplicar as teorias que vamos estudando, quer sejam questões de natureza didáctica ou curricular. Por isso, referimos várias ideias a implementar na reorganização da disciplina para que se torne mais ajustada e funcional, porque nos damos conta da importância que assume na nossa formação.

    São as Práticas Pedagógicas que nos proporcionam os primeiros contactos com a realidade do 1º Ciclo e tornam-se por isso, a base da nossa identidade profisional. Depois de passarmos por esta formação inicial, quando chegamos à nossa prática profissional, (descansem professores do IEC) é assim que nós trabalhamos, é esta a filosofia que nos sustenta. Lembramo-nos da nossa Prática Pedagógica, da partilha, da colaboração, da integração, da transversalidade e interdisciplinaridade, da reflexão... e (sempre que as condições o permitem) vamos desenvolvendo o nosso trabalho da forma que aprendemos. A metodologia está lá, as filosofias também. E só assim é que o nosso trabalho se torna significativo, só assim é que faz sentido.

    Bom trabalho para todos.

    By Blogger Elisabete Rodrigues, at 2/19/2006 6:36 da tarde  

  • Olá a todos!

    A Prática Pedagógica foi realmente "o palco" para concretizarmos alguns dos nossos sonhos. Foi o espaço que nos deram, na formação inicial, para pormos em prática tudo o que estávamos a aprender e desenvolver.
    Na minha opinião, o professor Carlos sintetizou muito bem os aspectos mais importantes relacionados com a PP na FI.
    Realço, por isso, apenos dois aspectos que considero essenciais, um a melhorar, outro a manter.

    1.º - Penso que deveria haver uma relação mais próxima entre a teoria e a prática. Para tal, deveria existir uma maior proximidade de todos os professores (formadores), para que as teorias fossem realmente aplicáveis e significativas.

    2.º - Um aspecto muito positivo foi a própria PP que, muitas vezes apresentando as suas limitações (próprias de algo que está sempre em evolução), conseguiu abrir-nos os "horizontes", mostrar-nos um pouco da realidade escolar, possibilitou-nos desenvolver um PCI em contexto real e ainda nos proporcionou o trabalho colaborativo.
    Na minha opinião é importante a valorização do trabalho individual na PP, mas penso que o trabalho colaborativo deve continuar a ser muito valorizado, uma vez que se apresenta como um desafio muito mais difícil, que nos ajuda e ensina muito!

    Relembrando o estágio, proporcionado pela PP, concluo que foi muito trabalhoso, mas muito, muito gratificante!

    Um abraço para todos!

    By Blogger Mónica Silva, at 2/20/2006 8:30 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home